Andante,Andante...
"Nenhum  momento  de felicidade  terá  sentido  se  não  for  compartilhado"
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


FALANDO EM AZALÉAS...


Repaginando
Texto escrito em junho/2011


Antes que mudassem para outro enderêço,ele sulcara a terra plantando algumas árvores frutíferas,ervas medicinais e arbustos ornamentais em frente à nova moradia.
A esposa desejava que as futuras janelas ,quando abertas, espiassem uma paisagem, senão igual, ao menos com alguns traços de semelhança àquela que estava prestes a deixar para trás.
Uma calçada de tijolos, (já desbeiçada pelo tempo) ,bordada de cravinas e gerânios, uma trepadeira de cachos cor de violeta emaranhada nas muitas pereiras e um grande arbusto de azaléas proximo à janela do quarto, florida por inteiro à cada fim de julho.
É claro que um cenário assim é resultado de longos anos, mas...Acreditava ela nos muitos janeiros que lhe haveriam de ser concedidos e, assim, a graça da visualisação das floradas que lhe davam tanto gosto.
Abnegado, ele fez brotar na direção do quarto do casal um pé de azaléas, uma camélia um pouco à esquerda e um ipê amarelo no canto do muro.
O tempo correu e , acabrunhadas, vieram as primeiras flores.
Juntos, vivendo o que se denomina de “melhor idade”, percorreram por muitas vezes o pequeno jardim acompanhando as vidas daquelas plantas.
E vieram novos finais de julho...
As azaléas receberam da natureza a certidão de maioridade e donas de si esbanjaram-se em cores e cheiros.
Surpreso, um certo dia ,ele a viu empreender uma longa viagem muito antes de retomar a tão sonhada visão da antiga janela.
Agarrado às lembranças, sozinho, ele percorria de cuia na mão o espaço florido que dedicara à companheira.
Nas manhãs de domingo procurava por ela.
Quando julhos acenavam em despedidas , um ramalhete colhido no jardim enfeitava os encontros.
A inquietude da espera levou-lhe  a partir também.
E o fez num começo de agosto deixando para trás duas janelas solitárias divisando as cores brotadas de suas mãos .
Então novos finais de julho insinuaram-se floridos, ainda que nostálgicos.
A azálea, adulta, enfeitada em vão adivinha agora diante  da caliça, olhares além daquelas janelas que não mais existem.
Desapontada, posa para a câmera.
Tomado de emoção o  pseudo fotógrafo capta o instante mágico.
No visor , um arbusto ricamente florido.
Junto, a  estranha sensação de que olhares invisíveis, numa ternura antiga , também vislumbram o cenário.


“Ao casal:Hilda e Jango, meus saudosos pais, onde quer que se encontrem”

Comentários:


95626-mini.jpg
14/07/2011 19:18 - magda crovador
Joel, não me mata do coração. Primeiro a visão majestosa das lindas azaléias. Depois me lembrei de uma casa colonial cheia de azaléias, plantadas por mim. Lá morei por alguns anos. E aos poucos vou mergulhando nos pequenos e poéticos detalhes do teu linguajar,tão teu. Crônica belíssima! Parabéns. Boa noite. 


18/06/2011 00:47 - Karla Osinski Ferreira [não autenticado]
Maravilhoso o texto. Como eu era criança, pequena, achava aquelas árvores enoermes. E acabo de lembrar do TECO, que eu via pela porta da cozinha. Fiz uma maravilhosa viagem no no tempo. Obrigada.


16/06/2011 16:13 - Jane Lopes [não autenticado]
Rico em cores,emoção,eternas saudades e de uma imensa e intensa sensibilidade. Deixo-te uma linda flor de pereira (tuas preferidas!). Abraços Fraternos sempre.


89518-mini.jpg
12/06/2011 13:34 - YARA FRANÇA
FABULOSO E MEU ENCANTO DEU-SE EM FUNÇÃO DAQUELE CASAL QUE PLANTOU TUDO AQUILO Q AINDA HOJE ENCANTA OUTROS OLHOS. PLANTAR É UM ATO DE AMOR E GENEROSIDADE COM TODOS. SEUS OLHOS CAPTARAM A BELEZA DISSO TUDO E A BELEZA DO GESTO DAQUELE CASAL.


11/06/2011 21:21 - lilianreinhardt [não autenticado]
Sublime mensagem, sublime bouquet em versos, azaléas guardam a essencia dos olhares da alma além do tempo! abraços


87165-mini.jpg
11/06/2011 18:33 -
Vislumbrei sim, meu amigo, com os olhos e sentind até o aroma! Especial! Parabéns!


1470-mini.jpg
09/06/2011 23:41 - Lili Maia
Uma delícia de texto, carregado de um perfume inconfundível de saudade! Gostei muito. Boas letras e abraços daqui


59032-mini.jpg
09/06/2011 22:37 - Anita D Cambuim
Que texto sensível. Você tem o dom de tocar as pessoas. Certamente os seus pais visitam a antiga morada.Que casal harmonioso você nos apresentou. Abraço e boa noite.


68462-mini.jpg
09/06/2011 22:22 - cavenatti
às flores os deuses ... aos deuses as flores.
Iratiense THUTO TEIXEIRA
Enviado por Iratiense THUTO TEIXEIRA em 21/06/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários