Andante,Andante...
"Nenhum  momento  de felicidade  terá  sentido  se  não  for  compartilhado"
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

        LICORZINHO FDP !!!


Minha mãe antes de sair para um compromisso do qual não me lembro,recomendou-me:
-Passe o escovão (alguém lembra desta tortura chinesa?) no assoalho - ela havia encerado com "cêra Canário - um luxo na época - e depois pode sair pra rua,mas não esqueça de fechar a porta e deixar a chave no lugar combinado.
Liguei o rádio no máximo de volume, e de mãos ao objeto de tortura,passei a lustrar o assoalho.
O resultado estava ficando ótimo!
Já meio cansado, no auge de meus 8 anos, fui me abatendo de um ligeiro surto de preguiça.
Tomei nas mãos um retalho de flanela e fui "tirando o pózinho das coisas" ( odiava quando mandavam-me fazer isso )
Limpa daqui, limpa dali e de repente...
Uma garrafa meio ovalada, fechada com rolha d e cortiça. No rótulo uma provocante cachada de pêssegos amarelos.
Lindos ! viçosos e orvalhados.
Abri a garrafa e o cheiro mais delicioso do planeta foi adentrando pelas minhas narinas.
Experimentei !
Uma delícia!
Doce, levemente alcoolico. Ingeri uma lapada, mais uma, outra mais e fui me excedendo.
Lá se foi quase a garrafa tôda.
De súbito o mundo começou a rodopiar. O escovão me sorria, o rádio parecia distorcer o som e vir ao meu encontro. O armário queria cair sobre mim,e eu...
Poft ! Fui ao chão.
Tudo de que me lembro na sequência, é da algazarra de vozes ao meu redor.
Havia choro, lamúrias, desesperos...
A vizinhança estava quase tôda ali em solidariedade.
Sacudiam-me! Esfregavam cachaça canforada na minha pança, nas pernas...
-Tá sem purso ! Comadre Irda. Coitadinho! Dizia uma comadre de minha mãe.
-É ataque de bichas ! Façam chá de hortelã ! Proferia outra.
-Acendam vela ao anjo da guarda! Dizia mais alguém.
Juro que cheguei a ouvir um prognóstico curto, grosso e objetivo, dito em voa baixa:
-Ih ! O anjinho foi pro sêpo.
Eu ali... Semi petrificado.
De repente uma das tagarelas,a vizinha da esquina, encontra a garrafa quase entornada.
-Meu Deus !!! Foi porre !!!
-FDP !!! Quase me mata do coração, profere minha mãe.
Tragam café preto bem forte !
(E enfiem goela abaixo) - salienta minha avó paterna que era chegada a um sargentismo.
Feito boneco inflável fui revirado, jogado pelos lados, agitado.
(Tudo com mãos que estancavam minha boca para que ingerisse aquela delícia de café: amargo e quente )
Não demorou para que a coisa fizesse efeito e eu pusesse fora o líquido deliciosamente aromatizado aos pêssegos de  minha infância.
Fui voltando aos poucos, a cabeça doía, ainda rodopiava ligeiramente ,mas estava lúcido para receber a saraivada de fdp que me fora atribúida.
Quando os ânimos serenaram, Otália, minha prima e nossa vizinha, (Pensem numa sargentona !) apanhando a garrafa me coloca diante dos olhos e delicadamente abre seu discurso:
-Piá d e bosta ! Quase mata a madrinha do coração. Projeto de cachaçeiro! A vontade que eu tenho é de enfiar esta garrafa no teu foçinho ! FDP, indecente, onde já se viu uma coisa dessa ?
Depois, refeitas, foram tôdas para a cozinha e armaram o maior guajú regado a chimarrão e café.
Na sala, ainda meio zonzo, eu olhava a garrafinha ovalada e pensava com meus botões:
Licorzinho FDP !!!
Iratiense THUTO TEIXEIRA
Enviado por Iratiense THUTO TEIXEIRA em 29/03/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários