Andante,Andante...
"Nenhum  momento  de felicidade  terá  sentido  se  não  for  compartilhado"
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


            TRAVESSIA

Hoje não saí  para  minhas costumeiras  fotos.Porém,bem  à tardinha,aqui  pelas cercanias, o  click  desta  fumaçinha,instigou-me  e busquei  em  meus  guardados um  texto  que  já publiquei  aqui  no  RL.Tudo  a ver  com  o  tufo d e fumaça nesta  tarde carregada  de  uma  certa  melancolia.




Pequenas  crônicas  do  cotidiano
03/03/2013



“Porque existirá sempre uma ponte entre o dia que morre e a noite que vem”, e a mudez de nossas carências rola feito água sob as estruturas.


Houve um tempo em que, menino ainda,elegi como espécie de refúgio uma velha macieira ao meio do quintal.Uma tempestade acompanhada de ventos muito fortes lhe havia quase derrubado.
Quase! Pois o vigor das raizes a fizera resistir.
Inclinada em seu tronco sustentava o emaranhado da ramagem abrindo-se em floradas e frutos assinalando por décadas sua existência.
Esquisitiçes à parte,mas à tardinha costumava  eu enfiar-me entre seus galhos e da parte mais elevada ia em silêncio, sorvendo a agonia dos dias. Por vezes o ar carregado  do cheiro das vassouras de mato ,evocava  mel em colméias. Noutras,embalsamava-se ao odor das defumações   pela vizinhança.(Tia Lucinda , depois de varrer  os  terreiros, espalhava algumas pedrinhas de incenso bento e capim cidró e  ateava  fogo .
[ A  tarde ganhava ares de templos bizantinos ]
Dos ecos  que  chegavam de longe, talvez  a  voz quase melancólica de dona Lúcia repontando o gado, tenha  sido o mais  marcante.Depois, os rádios ligados na Hora do Ângelus, algumas cantigas dolentes pelos carreadores ,e resmungantes queixumes nos rodados de carroções à caminho das colonias de lavradores.
Do alto da macieira eu avistava as poucas casas pelas cercanias, e o campo era um tapete verde rasgado ao meio pelo charco das margaridas.O sol  ia se pondo e,do outro lado do charco, o casarão dos Iarema - que dizia-se mal assombrado - escurecido em suas paredes, atiçava-me.
Uma estranha solidão o habitava e daquelas janelas desbeiçadas brotavam segredos indecifráveis.
Quando maçãs ofereciam-se generosamente ao meu redor, era verão !  Depois, galhos despidos diziam-me de outonos, de invernos...
[ Encolhido ao  meio deles ,eu fazia “a travessia”]
Uma blusinha de lã,surrada,os mesmos ecos,os mesmos cheiros...E a minha solidão de menino ,varada de ventos gelados.
(Sim,porque meninos também sentem solidão e não sabem muito bem como explicar. Abotoam,simplesmente,em seus corações criança.)
Sem macieira,carroções ,charco das margaridas, refugio-me agora numa janela aberta para o fim do dia. Caladas, pessoas cruzam  à minha  frente,como  que  fora um desfile onde estranhas solidões vazam pelas janelas desbeiçadas de suas almas.
Remetem-me ao casarão escuro do outro lado do charco. Um pequeno grupo ruma à passos largos enquanto os sinos dobram.( Hora do Ângelus,presumo).Arde-me em pensamentos odores de incensos de Tia Lucinda.
Um carro passa em baixa velocidade.O som é devastador.A música ?...De gosto discutível. O motorista, muito jóvem ainda,tem uma aparência triste.”Solidão abotoada no peito”, atino com meus botões,destas que êle talvez não saiba muito bem como explicar.
Na  rua  de baixo, um caminhoneiro, na tentativa desesperada de venda,brada em auto falante a preciosidade da dúzia de mangas ao prêço módico de três reais.
Nenhum cliente por perto...O ronco abafado do motor remete-me aos queixumes de rodas dos carroções de feno.Num céu já quase escurecido a lua  - cheia de tudo - espia-me por trás da cerejeira.
O som que me vem de um dos aposentos é do sorridente apresentador de TV indagando:
”Quem quer dinheiro?”.
Não mais aquele menino...Um adulto, e bota adulto nisso, vejo-me revestido ainda de uma solidão que não se explica.
Limito-me à deixa-la simplesmente abotoada em meu coração. 
E, feito o piazito da macieira ,  percebo-me ainda fazendo "a travessia..."
Joel Gomes Teixeira
Iratiense THUTO TEIXEIRA
Enviado por Iratiense THUTO TEIXEIRA em 29/04/2018
Alterado em 29/04/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários