Andante,Andante...
"Nenhum  momento  de felicidade  terá  sentido  se  não  for  compartilhado"
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


PELOS MOÍNHOS DO TEMPO -  Reeditado
(pra matar saudades)

Diário de minhas andanças/2012
(fotos do autor)



“...Bebo segredos de tuas janelas e... Um trem serpenteia aroeiras.Embriagado,meu coração acena ...A menina de trança ,num sorriso banguela,é apenas imagem do etéreo."



Ergue-se do vale um silêncio de fim de tarde.
É domingo,e o que ainda resta de sol doura-lhe as vidraças .
Pelas ruelas desertas,nada além de minhas lembranças.
As janelas,feito lentes embaçadas,espiam ao longe como à quem , viciado ,procura parcerias para um jogo de cartas.
[Desoladora espera]
De muito longe ,embarcados ao vento, chegam alguns ecos retorcidos.
[Crianças num campinho de futebol]


Junta-se à elas uma voz feminina. Abafada, insistente , quase dolorida...
A súplica do instinto materno na tentativa de arrebanhar a prole:
[Brados dilaceram silêncios]
_Joãoêêêêêêêêê!...
A nostalgia veste-me calças curtas , atira-me impiedosamente num espaço que já não me pertence mais.
Sinto uma pontinha de inveja do tal João.
Ponho-me a imaginar aquêle à quem sequer conheço.
Em pensamentos arquiteto-lhe alguns conselhos:
Corre “Joãozinho”. Vai ao encontro de quem te chama!
Corre que o tempo urge. Se apresse menino, que o tempo é um moinho e a farinha de hoje, pode lamentar em alvura o grão dourado que um dia foi.
Corre “Joãozinho”.
Segue em frente, que as cozinhas da vida também costumam fechar janelas e portas.
Vai!...Corre que o fogo apaga-se , que o “feijãozinho de mãe” esfria, e o tempero do tempo se faz insosso.
Corre “Joãozinho”.
Ouça meu conselho , ainda que seja eu apenas um tolo a vasculhar passados.
Corre , avance...Vai que "o agora" é a sua bola da vez.Deixe-me sozinho .Deixe-me aqui, feito um ser estático a beber segredos de janelas de moinho.
[Elas conhecem-me desde os tempos de piá]
Sabem as histórias, de um piazito caroneiro, de uma charrete, que tinha a cor das abóboras, dum cavalo branco, de fofos pelegos deitados sobre o assento.
Daquela polaca que se chamava “Flora”, era minha tia e me contava coisas de uma terra distante. Duma tal Polonia, e uma certa gente de olhares de safira, que cruzaram mares, sulcaram da terra a sua tez morena , emprestaram alma à dança dos trigais.
[Tinham mãos pesadas, calos e ranhuras...Tocavam violinos sem as partituras.Não lamentavam a sorte.Riam! Até das incertezas]
Corre, ”Joãozinho”, liberta tua infância, feito um passarinho a voejar no vento ,que embriagado de divagações, resta-me ainda a ilusão da chance de um recado ao comboio da noite...
Aquêle último trem que rasgará em paralelo as brumas densas do lusco fusco.

À etérea menina,cabelo de tranças,sonho de infância...
[Paixão de criança?...Talvez.]
Corre "Joãozinho", deixa-me à relembrar:
As sardas na face, o riso banguela, voz estridente,cantiga esgoelada...
Corre, ”Joãozinho”...Corre!
Deixe-me sozinho, feito zumbi na tarde vadia a triturar lembranças feito a mó deste moinho.

Joel Gomes Teixeira
Iratiense THUTO TEIXEIRA
Enviado por Iratiense THUTO TEIXEIRA em 20/06/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários