Andante,Andante...
"Nenhum  momento  de felicidade  terá  sentido  se  não  for  compartilhado"
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


ECOS DE DOMINGO
Da  série: Diário de minhas  andanças


(02/11/2010)
Cai a tarde de domingo como caem as tardes de todos os domingos:
Insossas,plenas de retornos,ressacadas,enfim...
Depois de mais um dia de brilho ,o sol aquieta-se num esconderijo qualquer além dos montes e sobras daquilo que fora borram o céu de um azul acanhado.
Vem de muito longe a cantilena dos sabiás da tarde e aquela melancolia gorjeada pelo arvoredo, morde impiedosamente os pássaros indefesos pelas gaiolas do peito.
Na estrada deserta segue um caminhante.
Rumina pensamentos,afloram-lhe lembranças,questiona-se...
[ Intimamente, ri de si mesmo ]
Na casa de esquina , uma senhora idosa se expõe por inteiro enquanto sabiás cantam.
O rosto entre as mãos, aparentemente ansiosa, olhar pensativo acompanhando a leveza do vai e vem de uma cortina na janela entreaberta.
[ A casa é antiga e  a tarde  é morna ]
Alguns arbustos com pontas ressequidas,disfarçam as “vergonhas encardidas “ do muro sem reboco e no pé de camélias, entranhado , ele:
O sabiá !...
Trinados repetitivos dando o tom às aparentes solidões da anciã e caminhante.
[ Cúmplices olhares rastelando a vastidão fumarenta da tarde que agoniza ]
Vagueia uma sensação de que , findas todas as possibilidades, dois corpos cansados e abatidos estão prestes a jogar as toalhas, rendendo-se à seus algozes.
...E a tarde de domingo deita-se feito teia de uma aranha faminta tecendo amarras em corações fragilizados.
Num gesto formal de cumprimento ,as expressões indisfarçáveis de quem tenta vasculhar o íntimo, um do outro, cruzam-se em silêncio.
Envolta em xale cor de abóbora , a idosa retoma o caminho da casa.
O "toc-toc" da bengala fere a calçada de tijolos ladeada de gerânios.
[ Incansáveis, prosseguem os sabiás pelas cercanias ]
Cadenciados,os passos ,tamborilam as pedras que desenham uma cedilha no entorno da moradia de esquina.
Um trem apita à distância...
De resto...Quietude, nostalgia, devaneios...
Embalados aos "ecos de domingo".

Joel Gomes Teixeira
Iratiense THUTO TEIXEIRA
Enviado por Iratiense THUTO TEIXEIRA em 26/09/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários